Michael Parks, de Adão de John Huston a um dos atores favoritos de Tarantino



Michael Harry Parks nasceu em Corona, Califórnia. Seu pai era dono de um parque de diversões itinerantes,  e muito jovem Michael começou  a trabalhar com o pai. Aos 16 anos fugiu de casa para se casar com uma moça que conhecera, pois o parque iria deixar a cidade e não iria mais vê-la.
Para sobreviver, trabalhou em coleita de frutas, como motorista de caminhão, cavando covas e apagando incêndios florestais. Aos 18 anos anos sua beleza chamou a atenção do produtor Frank Silveira, que o convidou para ser ator.
MBDBIBL FE002
Aos 20 anos estreou na televisão, fazendo pequenos papeis na série de TV Zane Grey Teather, em 1960. Após fazer diversas participações, estreou no cinema em Na Voragem do Amor (Bus Riley’s Back in Town, 1965), fazendo par romântico com Ann-Margret.
Com Ann-Margret



Em seguida atuou em Vitima de Um Pecado (Wild Seed, 1965), substituindo Marlon Brando, que foi escalado inicialmente, mas foi considerado velho demais para o papel. Em O Ídolo Caído (The Idol, 1966) fez par romântico com a veterana Jennifer Jones. Em 1966 foi eleito um dos mais promissores atores do cinema daquele ano.
the_idol2
Com Jennifer Jones

Em 1966 interpretou um de seus papéis mais famosos da época, A Bíblia (The Bible: In the Beginning…, 1966), super produção dirigida por John Huston. No filme, Michael interpretou Adão, no seguimento Adão e Eva.
Michael Parks & Ulla Bergryd a.jpgCom Ulla Bergryd (Adão e Eva)



In The Beginning
Com o produtor Dino de Laurentis e John Huston, nos bastidores de A Bíblia

Mas apesar do sucesso inicial, Michael Parks só fez mais dois filmes no período: Acontece Cada Coisa (The Happening, 1967) e A Caçada (Stranger on the Run, 1967). Este último, um telefilme estrelado por Henry Fonda. Após um curto e promissor período de estrelato, o ator voltou a ser relegado a coadjuvante em séries de TV.

s-l300
Com Faye Dunaway em Acontece Cada Coisa

Ele ainda protagonizou o seriado Then Came Bronson (1969-1970). Michael também cantava a canção Long Lonesome Highway, tema de abertura da série. A música ficou na vigésima posição do Top 100 da Billboard.
Nas décadas seguints, só atuou em três filmes: Os Últimos Machões (The Last Hard Men, 1976), Resgate Suicida (North Sea Hijack, 1980) e Conexão Francesa (1986). Também participou como elenco fixo da série The Colbys (1981-1989), um spin-off da série Dinastia (Dynasty). Após anos trabalhando sem muito destaque, foi convidado para viver o personagem Jean Renault na série Twin Peaks (1990-1991).
twin peaks
Twin Peaks

A série tornou-se cult, e ressuscitou a carreira do ator. Michael Parks passou a ser um ator requisitado por diretores importantes, passando a trabalhar com frequência com diretores como Quentin Tarantino, Robert Rodrigues e Kevin Smith, que redescobriram o ator.
Em 1996 viveu o xerife Earl McGraw no filme Um Drink no Inferno (From Dusk Till Dawn, 1996). Earl McGraw seria o nome de seu personagem em diversos outros filmes do diretor Tarantino. Embora tenha feito outro papel no filme Um Drink no Inferno 3: A Filha do Carrasco (From Dusk Till Dawn 3: The Hangman’s Daughter, 1999).
drink no inferno
Um Drink no Inferno

Michael viveu Earl McGraw em Kill Bill Volume 1 (Kill Bill: Vol. 1, 2003), Kill Bill Volume 2 (Kill Bill: Vol. 2, 2004), Grindhouse (Idem, 2007), À Prova de Morte (Death Proof, 2007) e Planeta Terror (Planet Terror, 2007). Com Tarantino ainda fez Django Livre (Django Unchained, 2012), mas interpretando outro personagem.

django
Django Livre

Ainda atuou em filmes como O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford (The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, 2007), Argo(Idem, 2012) e Tusk (Idem, 2014), este último do diretor Kevin Smith. Foi Kevin Smith quem divulgou a sua morte pelo twitter, mas a causa não foi revelada.

Michael Parks faleceu em 09 de maio de 2017, aos 77 aos de idade. A família não divulgou a causa de sua morte.
tusk
Tusk


0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil