Atriz Machiko Kyō, de Rashomon e Casa de Chá do Luar de Agosto, morre aos 95 anos


Morreu no dia 12 de maio a atriz japonesa Machiko Kyō, estrela de Rashomon (Rashômon, 1950), de Akira Kurosawa. Machiko também atuou ao lado de Marlon Brando e Glenn Ford em Casa de Chá do Luar de Agosto (The Teahouse of the August Moon, 1956), que lhe valeu uma indicação ao Globo de Ouro.


O verdadeiro nome de Machiko Kyō era Yano Matoko, e ela nasceu em Osaka, em 25 de março de 1924.  Abandonada pelo pais aos cinco anos de idade, ela foi criada pela mãe e avó, e estreou como dançarina aos 12 anos de idade, em 1936.

Em 1949 ela estreou no cinema, contratada pelo estúdio Daiei, um dos maiores estúdios cinematográficos do Japão. No ano seguinte, ela alcançou fama internacional ao fazer o primeiro papel feminino em Rashomon (Rashômon, 1950), de Akira Kurosawa. O filme surpreendeu o público com sua narrativa não linear, e foi o primeiro vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza. Rashomon também recebeu um Oscar especial de Melhor Filme Estrangeiro, sendo o primeiro filme japonês a receber tal prêmio.

Toshiro Mifune e Machiko Kyō em Rashomon

Machiko tornou-se uma estrela em seu país, protagonizando filmes como O conto de Genji (Genji monogatari, 1951), A Saga do Grande Buda (Daibutsu kaigen, 1952), A Imperatriz Yang Kwei Fei (Yôkihi, 1956) e A Rua da Vergonha (Akasen chitai, 1956).

Em 1953 ela estrelou Portal do Inferno (Jigokumon, 1953), segundo filme japonês a vencer um Oscar de Filme Estrangeiro, e também vencedor do Oscar de Melhor Figurino daquele ano. O filme também foi o ganhador do prêmio do juri do Festival de Cannes daquele ano.

 Machiko Kyō em Portal do Inferno 

Machiko ainda foi a protagonista de Contos da Lua Vaga Depois da Chuva (Ugetsu monogatari, 1953), terceiro filme japonês a ser indicado ao Oscar. Outros trabalhos importantes em sua carreira foram Ervas Flutuantes (Ukikusa, 1959), de Yasujirō Ozu e Alucinação Sensual (Kagi, 1959), que dividiu o Globo de Ouro de Filme Estrangeiro com Morangos Silvestres (Smultronstället, 1957) e Orfeu do Carnaval (Orfeu Negro, 1959). O filme também foi agraciado com o prêmio do juri em Cannes.

 Machiko Kyō com Margaret O'Brien na entrega do Oscar de 1957



Seu único trabalho fora do Japão foi como a gueixa Lotus Blossom na comédia Casa de Chá do Luar de Agosto (The Teahouse of the August Moon, 1956), ao lado dos astros Glenn Ford e Marlon Brando (caracterizado como japonês). Por seu trabalho recebeu a indicação ao Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical.

Mas embora tivesse convites para continuar em Hollywood, preferiu dedicar-se a sua carreira no Japão.


Machiko Kyō, Marlon Brando (ao centro, vestido de japonês) e Gleen Ford
em Casa de Chá do Luar de Agosto

A partir da década de 60 ela diminuiu seus trabalhos no cinema, embora tenha atuado até 2000, quando se aposentou, e voltou a residir em Osaka, onde faleceu, vítima de de uma insuficiência cardíaca.

Machiko Kyō nunca se casou, nem teve filhos, e em 2017 foi homenageada pela Academia Japonesa de Cinema com um prêmio pelo conjunto de sua obra.

 Elizabeth Taylor e Machiko Kyō






Leia também: Morreu Shinobu Hashimoto, roteirista de Rashomon e Os Sete Samurais, aos 100 anos
Leia também: Dorothy Toy, a "Ginger Rogers" oriental
Leia também: Morreu a atriz Mai Tai Sing, aos 94 anos
Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil