Relembrando Fess Parker, o eterno Daniel Boone


Fess Parker ficou famoso ao interpretar dos personagens desbravadores na televisão, Davy Crockett e Daniel Boone, que fizeram muito sucesso.



Fess Elisha Parker Jr. nasceu em 16 de agosto de 1924, em Forth Worth, Texas.

Durante a Segunda Guerra Mundial, alistou-se nas forças armadas na esperança de se tornar piloto, porém ele era muito alto (1,98) e não cabia nas cabines dos aviões. Fess então foi transferido para o corpo dos fuzileiros navais e foi enviado para o Pacífico Sul.

A final do conflito, ingressou na Universidade, onde estudou teatro. O ator Adolphe Menjou foi dar uma palestra para os alunos, e se encantou com o rapaz, abrindo-lhe as portas para fazer seus primeiros contatos em Hollywood.

Seu primeiro trabalho no cinema foi em Meu Amigo Harvey (Harvey, 1950), mas não apareceu nas telas. Ele fez o motorista de táxi Harvey, cuja apenas a voz é ouvida no filme. Em 1951 ele passou a fazer figuração no game show Mister Roberts.

Seu primeiro papel em frente as câmeras foi em ...E o Noivo Voltou (No Room for the Groom, 1952), estrelado por Tony Curtis, em um pequeno papel. Seu primeiro destaque foi em Homens em Revolta (Untamed Frontier, 1952), estrelado por Joseph Cotten, Shelley Winters e a trágica Suzan Ball, que faleceu com apenas 21 anos de idade.

Shelley Winters, Fess Parker e Joseph Cotten

Contratado pela Warner Brothers fez pequenos papéis em filmes como Renegado Heróico (Springfield Rifle, 1952), Geleiras do Inferno (Island in the sky, 1953), Feras Humanas (The Bounty Hunter, 1954) e Qual Será Nosso Amanhã (Battle Cry, 1955).

Em 1954 ele interpretou um piloto no filme O Mundo em Perigo (Them!, 1954), uma produção sobe uma invasão de formigas gigantes. Walt Disney procurava um ator para viver Davy Crockett na série Abertura Disneylândia (Disneyland), e queira James Arnes para o papel. Disney então foi assistir O Mundo em Perigo, que era estrelado por Arness, e acabou gostando de Parker, que tinha um papel menor na obra.

Fess Parker em O Mundo em Perigo

Parker foi até o estúdio com seu violão, cantou uma música e depois foi dispensado. Ele achou que não havia passado, mas semanas depois recebeu um telefonema chamando-o para assinar o contrato. O ator Buddy Ebsen, que interpretaria o parceiro de Crockett, foi decisivo na escolha do ator para o papel. Eles tornariam-se amigos até a morte de Ebsen em 2003.

Buddy Ebsen e Fess Parker em Davy Crockett

A série fez um grande sucesso, e fez de Parker uma estrela dos estúdios Disney. Ao lado de Jeffrey Hunter estrelou Têmpera de Bravos (The Great Locomotive Chase, 1956). Ainda no estúdio protagonizou A Odisseia do Oeste (Westward Ho, the Wagons!, 1956), O Meu Melhor Companheiro (Old Yeller, 1957) e Não Renego o Meu Sangue (The Light in the Forest, 1958). Mas Fess Parker começou a ficar insatisfeito, alegando que sempre fazia os mesmos papéis.

Fess Parker e Jeffrey Hunter em Têmpera de Bravos

Além disto, Disney recusou-se a liberá-lo para trabalhar em outros estúdios, e assim ele perdeu papéis importantes, como Martin Pawley em Rastros de Ódio (The Searchers, 1956), que acabou ficando para seu antigo colega Jeffrey Hunter e o protagonista de Nunca Fui Santa (Bus Stop, 1956), ao lado da estrela Marylin Monroe. O papel acabou ficando com Don Murray.

A Disney então o escalou para um pequeno papel em Tonka e o Bravo Comanche (Tonka, 1958), estrelado por Sal Mineo. Ele acabou recusando o personagem, e foi suspenso pelo estúdio. Insatisfeito, ele pediu demissão.

Após fazer alguns trabalhos na televisão, atuou em O Mensageiro da Morte (The Hangman, 1959). Em seguida repetiu o papel de Davy Crockett em Valentão é Apelido (Alias Jesse James, 1959), uma comédia estrelada por Bob Hope e Rhonda Fleming.

Robert Taylor, Tina Louise e Fess Parker em O Mensageiro da Morte

Ainda atuou em Na Encruzilhada dos Fascínoras (The Jayhawkers!, 1959) e no filme de guerra O Inferno é Para os Heróis (Hell is for Heroes, 1962), estrelado por Steve McQueen, Bob Darrin e Nick Adams.

Ele estrelou a série de TV Mr. Smith Goes to Washington (1962-1963), onde interpretou o personagem idealista vivido por James Stewart no clássico A Mulher faz  Homem (Mr. Smith Goes to Washington, 1939).

Em Mr. Smith Goes to Washington

Em 1964 começou a interpretar seu personagem mais famoso, o desbravador Daniel Boone, que expandiu as fronteiras da conquista do oeste nos Estados Unidos. Daniel Boone (Idem, 1964-1970) tornou-se um grande sucesso. Parker não só estrelou a série, como também tornou-se co-produtor e dirigiu cinco episódios.

Assista ao primeiro episódio de Daniel Boone (dublado)

Parker tentou abrir um parque de diversões com o tema Davy Crockett no final da década de 60, e chegou a escolher o terreno onde construiria, porém um outro parque de diversões foi construído próximo ao local, e os investidores desistiram do projeto.

No Brasil, estreou em 1969 dentro do programa Clube do Capitão Aza, reservado a diversas séries e desenhos que ficaram imortalizados na memória de quem assistiu. Na TV Tupi a série foi exibida até 1974.
Em 1978 foi a vez de ser mostrado na Rede Globo às 9h05 e apenas com um ano de exibição teve sua permanência na emissora cortada. Não ficou muito tempo fora da telinha por aqui, e já em 1980 estreou na TV Record ocupando o horário das 18h45. Até 1984 foi apresentada na Record sempre nos horários da tarde e da noite.
A série somente retornou à televisão brasileira em 1990, ainda pela TV Record, que a apresentava às 10h, ficou porém, nessa exibição,  menos de um ano no ar.
No auge do sucesso de Daniel Bonne, ele estrelou o filme Furacão Negro (Smoky, 1966), onde interpretou um domador de um cavalo selvagem chamado Smoky. Também protagonizou Daniel Boone - A Conquista do Kentucky (Daniel Boone: Frontier Trail Rider, 1966), filme baseado em seu personagem na televisão.

Uma curiosidade, quando Daniel Boone foi lançado na França, o nome do ator foi mudado para Fier, porque Fess, em francês significa "nádegas". Ele foi rebatizado de Fier, que significa "orgulhoso" em francês.

Cartaz francês de Daniel Boone - A Conquista do Kentucky, com o ator creditado como Fier

Em 1970 recusou interpretar o papel título na série McCloud (1970-1977). Em 1974 ele protagonizou o piloto de The Fess Parker Show (1974), mas as emissoras de TV não tiveram interesse em dar continuidade ao programa. Depois disto, aposentou-se da carreira de ator, aos 49 anos de idade.

Depois disto, passou a dedicar-se aos negócios imobiliários. Também diversificou os negócios, montando um resort à beira-mar em Santa Bárbara, um hotel em Los Olivos e criou uma vinícola premiada na Califórnia, onde além de vinhos, vendia produtos relacionados a Davy Crockett e Daniel Boone.

Vinícola de Fess Parker

Em 1991 ele foi nomeado uma Lenda da Disney, e em 2004 ganhou uma seção de homenagem na Frontierland na Disnelândia.

Fess Parker sendo homenageado na Disney em 2004

Em 1960 o ator havia se casado com Marcella Belle Rinehart, com quem ficou casado até a sua morte, em 18 de março de 2010. Fess Parker tinha 85 anos, e morreu de causas naturais, no dia em que sua esposa completava 82 anos. 

1 comentário:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil