Relembrando a trajetória do breve Paul Walker


O astro da série Velozes & Furiosos morreu tragicamente no auge da fama, com apenas 40 anos de idade. Bonito e talentoso, Walker vinha trilhando uma bem sucedida carreira, iniciada na infância, quando ainda era ator mirim.





Paul William Walker IV nasceu em Glendale, Califórinia, em 12 de setembro de 1973. Filho de uma ex modelo e de um ex lutador de boxe, Paul Walker era o filho mais velho de cinco irmãos, e foi criado como Mórmon. Ele frequento universidades comunitárias e mais tarde formou-se em biologia marinha.

Walker começou a trabalhar como modelo com 2 anos de idade, quando fez um comercial das fraldas Pampers. Ainda bebê, ele conseguiu diversos trabalhos na publicidade.


O Jovem Paul Walker em comercial da Pampers


Aos 14 anos de idade ele estreou como ator na televisão, aparecendo em três episódios da série O Homem Que Veio do Céu (Higway to Heaven), em 1985. No ano seguinte conseguiu um papel fixo na série Throb (1985-1986), onde interpretava o jovem Jeremy Beatty.



Paul Walker em O Homem Que Veio do Céu


Em 1986 ele fez sua estreia no cinema, atuando no terror de baixo orçamento O Monstro do Armário (Monster in the Closet, 1986). Ele também atuou em Projeto Sibertron: Programada Para Morrer (Programmed to Kill, 1987), e fez algumas participações em outras séries de televisão.



Paul Walker em O Monstro do Armário


Em 1992, com 21 anos de idade ele conseguiu um papel na novela The Young and the Restless, atuando em duas temporadas, até 1993. Foi nesta novela que ele ficou conhecido do público e por seu personagem foi indicado ao prêmio Youth in Film Awards de Melhor Ator de Novelas.


Paul Walker em The Young and the Restless



Após deixar a novela atuou na comédia Tammy and T-Rex (1994) e em 1996 fez seu último trabalho na televisão, atuando na série O Toque de Um Anjo (Touched by an Angel).



Paul Walker em O Toque de Um Anjo



Em 1998 Paul Walker estrelou a comédia Os Irmãos Id & Ota (Meet the Deedles, 1998), que era uma produção menor, cujo título em português fazia referencia ao sucesso Debie e Lóide, estrelado por Jim Carrey, embora a produção original não tivesse nenhuma relação com o filme.


Paul Walker em Os Irmãos Id & Ota


O filme não teve grande repercussão, mas garantiu a Walker o convite para coadjuvar grandes produções. Ele esteve no belo Pleasantville, A Vida em Preto e Branco (Pleasantville, 1998) e foi um dos alunos populares na comédia adolescente Ela é Demais (She's All That, 1999). 

Também fez parte do elenco de Marcação Cerrada (Varsity Blues, 1999), A Viagem (Brokedown Palace, 1999) e Sociedade Secreta (The Skulls, 2000).



Paul Walker em Pleasantville, A Vida em Preto e Branco


Paul Walker e Freddie Prinze Jr. em Ela é Demais


Sua consagração veio em 2001 quando ele interpretou Brian O'Conner em Velozes & Furiosos (The Fast and the Furious, 2001), ao lado de Vin Diesel. O filme fez um enorme sucesso, e transformou Walker em um astro. 

Ele e Vin Diesel ganharam o MTV Movie Awards de melhor dupla, escolhido pelo público.




Ele também estrelou Perseguição (Joy Ride, 2001), que também retratava corridas de automóveis em alta velocidade, e que novamente fez muito sucesso com o público. Depois, reprisou o papel de Brian O'Conner em +Velozes +Furiosos (2 Fast 2 Furious, 2003). O novo deu origem a uma das  mais bem sucedidas franquias atuais do cinema.

Seus filmes seguintes não fizeram tanto sucesso. Walker atuou em Linha do Tempo (Timeline, 2003), Anjo de Vidro (Noel, 2004) e Mergulho Radical (Into the Blue, 2005) e No Rastro da Bala (Running Scared, 2006).



Penelope Cruz, Paul Walker e Susan Sarandon em Anjo de Vidro



Sob direção do lendário Clint Eastwood, Paul Walker atuou no drama de guerra A Conquista da Honra (Flags of Our Fathers, 2006) e também estrelou Resgate Abaixo de Zero (Eight Below, 2006), que foi muito bem sucedido nas bilheterias.



Paul Walker em A Conquista da Honra



Paul Walker em Resgate Abaixo de Zero


Paul Walker atuou em filmes independentes de pouca repercussão, como A Vida e a Morte de Bobby Z (The Death and Life of Bobby Z, 2007), Histórias USA: Acontece na América (Stories USA, 2007) e Entre a Vida e a Morte (The Lazarus Project, 2008).

Ele relutou muito em retornar a franquia Velozes & Furiosos, mas se rendeu após uma oferta milionária, atuando em Velozes & Furiosos 4 (Fast & Furious 4, 2009), Velozes & Furiosos 5: Operação Rio (Fast Five, 2011) e Velozes & Furiosos 6 (Furious 6, 2013).



Vin Diesel e Paul Walker no Rio de Janeiro, onde foi filmado Velozes & Furiosos 5: Operação Rio


Paul Walker ainda atuou em Ladrões (Takers, 2010) e fez muitos trabalhos em 2013, aparecendo em Veículo 19 (Vehicle 19, 2013), Contagem Regressiva (Hours, 2013) e Busca Alucinante (Paw Shop Chronicles, 2013). Além de ter atuado em 13º Distrito (Brick Mansions, 2014), que só foi lançado no ano seguinte, após a sua morte.



Paul Walker no cartaz de 13º Distrito



Em 30 de novembro de 2013 Paul Walker voltava de um evento beneficente junto seu amigo Roger Rodas, quando perderam o controle do Porshe Carreta GT 2005, que bateu contra duas árvores em alta velocidade. Os dois morreram imediatamente no local.

Paul Walker, que tinha apenas 40 anos na época, estava filmando Velozes & Furiosos 7 (Fast & Furious 7, 2015). Seus irmãos, Cody e Caleb Walker foram usados como dublês para finalizar suas cenas, bem como o ator John Brotherton, além de muitos recursos de computação gráfica.



Caleb e Cody Walker



Paul Walker morava com sua namorada, Rebecca Soteros, com quem teve uma filha chamada Meadow Rain Walker, que nasceu em 1998. O ator Vin Diesel é seu padrinho, e em agosto de 2021, levou-a ao altar durante seu casamento.



Paul Walker e a filha, e Meadow Rain Walker atualmente



Vin Diesel entregando a filha do amigo no altar, em 2021






Morre o ator David Gulpilil, astro de A Longa Caminhada (1971)

Jenny Agutter e David Gulpilil em A Longa Caminhada


O ator e dançarino aborígene David Gulpilil, astro do cultuado filme A Longa Caminhada (Walkabout, 1971), faleceu no dia 29 de novembro, aos 68 anos de idade. O ator lutava contra um câncer há 4 anos.


David Gulpilil, Luc Roeg e Jenny Agutter em A Longa Caminhada

David Gulpilil nasceu na Austrália, e foi o primeiro ator de origem aborígene a fazer sucesso mundial. Ele não sabia sua data exata de nascimento, e acreditada ter nascido em 1953, devido a informações de missionários que faziam trabalhos voluntários na região em que ele nasceu.

Sem nunca ter frequentado a escola, nem ter estudado, ele aprendeu inglês apenas de ouvido, e trabalhava como caçador, rastreador e dançarino cerimonial de sua tribo. Em 1969 o diretor Nicolas Roeg foi até o norte da Austrália iniciar as filmagens de A Longa Caminhada (Walkabout, 1971), e se encantou com seu talento para a dança, e o convidou para estrelar seu filme.

Na trama, Gulpilil interpretava um adolescente nativo, que precisava atravessar o deserto sozinho, em um ritual de iniciação. Mas ele encontra duas crianças perdidas, vividas por Jenny Agutter e Luc Roeg (filho do diretor na vida real), e juntos eles fazem a travessia para sobreviver.

A Longa Caminhada ganhou A Palma de Ouro em Cannes, e fez um grande sucesso. Com apenas 16 anos de idade, Gulpilil virou um astro internacional, e foi apresentado para nomes como John Lennon, Muhamad Ali, Bob Marley e Bruce Lee.







O rapaz apareceu em diversos filmes e séries para a televisão, e em 1976 estrelou Marcado Para Morrer (Mad Dog Morgan, 1976), ao lado de Dennis Hooper. David Gupilil também teve uma bem sucedida carreira na dança, e se apresentou em diversos festivais internacionais. Também chegou a participar de uma ópera, em 1973.


David Gulpilil em Marcado Para Morrer

No cinema, esteve em diversas produções, como A Última Onda (The Las Wave, 1977), Os Eleitos: Onde o Futuro Começa (The Right Stuff, 1983), Crocodillo Dundee (Idem, 1986), Até o Fim do Mundo (Bis ans Ende Der Welt, 1991) e Geração Perdida (Rabbit-Proof Fence, 2002), que denunciava o mal trato das crianças aborígenes australianas, que eram sequestradas por famílias ricas para se tornaram empregados domésticos em regime de escravidão.


David Gulpilil em  Crocodillo Dundee


Em 2008 o diretor Baz Luhrmann o homenageou com um importante pape em Austrália (Australia, 2008), onde ele viveu um rei aborígene. Seu último trabalho como ator foi no filme Amigos Para Sempre (Storm Boy, 2018).


David Gulpilil em Austrália





A Glamurosa Arlene Dahl



Arlene Dahl foi uma estrela da MGM na década de 40. A bela ruiva fotografava muito bem no Technicholor, e embora tenha feito sucesso, abandonou a carreira no auge, retornando esporadicamente às telas. 


Arlene Carol Dahl nasceuem 11 de agosto de 1925, em Minneapolis, Minnesota.  De ascendência norueguesa, Arlene começou a fazer aulas de dança ainda criança, e começou a atuar ainda no colégio, e logo começou a atuar em grupo de teatro local.

Após se formar no ensino médio, mudou-se para Chicago, onde passou a trabalhar como compradora de uma loja, e depois começou a trabalhar como modelo. Ela viajou para Nova York para fazer teste para uma peça na Broadway. Ela não passou, mas foi contratada para ingressar no elenco de outra peça, Questionable Ladies (1945). Um caçador de talentos a viu atuando, e a levou para Hollywood.

Ela estreou em um pequeno papel em Nossa Vida Com Papai (Life with Father, 1947), uma produção da Warner Brothers, com Elizabeth Taylor no elenco.

No mesmo ano o estúdio a promoveu a protagonista em Minha Rosa Silvestre My Wild Irish Rose, 1947), onde contracenou com Dennis Morgan e Andrea King.

Andrea King, Dennis Morgan e Arlene Dahl

Dahl então foi contratada pela MGM, que a escalou como coadjuvante de Anjo Sem Asas (The Bride Goes Wild, 1948). Foi protagonista em seu filme seguinte, Pisando em Brasas (A Southern Yankee, 1948), onde contracenou com Red Skelton. Ambos os atores tornaram-se muito populares na época.

A MGM a liberou para atuar em uma produção de Walter Wanger, chamada a A Sombra da Guilhotina (Reign of Terror, 1949), com Robert Cummings e Richard Hart. Depois retornou ao seu estúdio para atuar em A Cena do Crime (Scene of the Crime, 1949), Armadilha (Ambush, 1950) e Sangue Bravo (The Outriders, 1950). Ao lado de Fred Astaire, interpretou a antiga estrela do cinema mundo Eileen Percy no filme Três Palavrinhas (Three Little Words, 1950).

Arlene Dahl, Red Skelton, Fred Astaire e Vera-Ellen em Três Palavrinhas

Com excessão de Sangue Bravo, todos os outros filmes deram muito lucro para a MGM. Mas apesar disto o estúdio preferiu relegar Arlene a protagonista de filmes de baixo orçamento, como Jogo Sem Trunfo (Insed Straight, 1951) e No Questions Asked (1951), mas ambos foram um fracasso, e o segundo nem chegou a ser exibido no Brasil.

Em abril de 1951 ela se casou com o "Tarzan" Lex Baker, mas ficaram casados pouco tempo, se separando em outubro de 1952. 

Dahl então foi dispensa do estúdio, e passou a trabalhar como freelancer. Contratada pela Pine-Thomas Productions, estrelou Pantera Negra (Caribbean, 1952), ao lado de John Payne. Depois fez Legião do Deserto (Desert Legion, 1953) na Universal. 

Com Alan Ladd em Legião do Deserto

De volta a Pine-Thomas, estrelou O Mistério da Casa Grande (Jamaica Run, 1953) e Sangari (Sangaree, 1953). Neste último, contracenou com o galã argentino Fenando Lamas, com ela se casou em 1954.

Arlene Dahl e Fernando Lamas em Sangari

O casal voltaria a contracenar em O Caçador de Diamantes (The Diamond Queen, 1953), na Warner. Ela protagonizou, com Rock Hudson, Rifles Para Bengala (Bengal Brigade, 1954).Em 1954 começou a atuar também na televisão, e também tornou-se colunista sobre moda e beleza, e criou sua grife de cosméticos e lingerie. Em O Poder do Ódio (Slightly Scarlet, 1956), contracenou com outra famosa ruiva de Hollywood, Rhonda Fleming.

Em 1958 Arlene deu a luz ao seu primeiro filho, Lorenzo Lamas, que mais tarde tornarias-se astro de filmes de ação e da série de televisão O Renegado (Renegade, 1992-1997). Arlene e Fernando se separaram em 1960, e posteriormente ele casou-se com a estrela dos musicais aquáticos Esther Williams.

Fernando Lamas, Lorenzo Lamas e Arlene Dahl

Com o nascimento de Lorenzo, Arlene afastou-se um pouco dos cinemas, passando a dedicar-se a família e a sua coluna de moda e suas empresas. Embora em 1959 tenha protagonizado seu filme mais famoso, Viagem ao Centro da Terra (Jorney to the Centre of the Earth, 1959), ao lado de James Mason e Pat Boone.

Pat Boone, Peter Ronson, James Mason e Arlene Dahl em Viagem ao Centro da Terra

Ela retornou ao cinema como coadjuvante em Aluga-se a Casa Branca (Kisses for My President, 1964) e fez papéis variados na série A Lei de Burke (Burke's Law), mas foi cada vez mais diminuindo suas aparições. Na década de 80 apareceu em séries como A Ilha da Fantasia (Fantasy Island) e O Barco do Amor (Love Boat). Em 1991 fez seu último filme, Noite do Lutador (Night of the Warrior, 1991),estrelado por sue filho Lorenzo Lamas. 

Arlene em O Barco do Amor

Em 1991 fez seu último filme, Noite do Lutador (Night of the Warrior, 1991),estrelado por sue filho Lorenzo Lamas. Suas últimas atuações foram justamente em O Renegado, série protagonizada por Lorenzo Lamas.

Lorenzo Lamas em O Renegado

Em 2009 Lorenzo Lamas e seus filhos protagonizaram o reality show Leave It to Lamas, onde mostravam o dia a dia de sua família. Arlene apareceu em alguns episódios. 

Arlene Dahl faleceu em 29 de novembro de 2021, aos 96 anos de idade.


Arlene e Lorenzo

Arlene Dahl 







Veja também: Os Artistas que Morreram em 2021


Veja também: Mães e Filhas Atrizes



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram

Ajude o site a se manter no ar, contribua com qualquer valor no PIX contatomemoriacine@gmail.com


A Tragédia Familiar de David White, o Inesquecível Larry Tate de A Feiticeira


A série A Feiticeira (Bewitched, 1964-1972) foi um dos maiores sucessos da televisão mundial, e conquistou uma legião de fãs. As aventuras da feiticeira Samantha (Elizabeth Montgmory) eram coadjuvadas por diversos personagens secundários, que também caíram no gosto do público. Larry Tate, o chefe de James Stephens, vivido por David White, era um deles.

Devido a mudança do ator que interpretava James, David White foi o ator que mais episódios apareceu na série depois de sua protagonista, Elizabeth Montgomery.


David White em A Feiticeira


Daniel David White nasceu em Denver, Colorado, em 04 de abril de 1916. Muito jovem ele se mudou com a família para Los Angeles, onde estudou atuação na Pasadena Playhouse, mas interrompeu sua carreira de ator quando alistou-se no Corpo dos Fuzileiros Navais durante a Segunda Guerra Mundial.

Após sua dispensa militar, ele retomou a carreira, estreando na Broadway na peça Leaf and Bough (1949). Foi também em 1949 que ele estreou na televisão, e logo tornou-se um rosto conhecido da TV, devido as diversas participações que fez em séries e teleteatros.


David White, na televisão



Em 1957 ele fez sua estreia no cinema atuando em A Embriaguez do Sucesso (Sweet Smell of Success, 1957). No filme, ele já exibia seus cabelos precocemente grisalhos, e apesar de fazer um pequeno papel (um colunista desprezível), chamou atenção pela sua atuação forte na trama.




Tony Curtis e David White em A Embriaguez do Sucesso


White especializou-se em papéis de políticos, empresários ou homens sofisticados, e conseguiu diversos papéis na TV. Atuou pouco no cinema, mas teve participações em filmes importantes, como Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment, 1960), de Billy Wilder, onde interpretou um executivo da empresa de Jack Lemmon.




David White em Se Meu Apartamento Falasse


No cinema, atuou em A Deusa (The Goddess, 1958), Dez Passos Imortais (Sunrise at Campobello, 1960), O Grande Impostor (The Great Impostor, 1960) e Os Propagandistas (Madison Avenue, 1961). Com poucos filmes no currículo, o ator colecionava papéis na televisão.



David White em Perry Mason



Em 1964, apesar de uma extensa carreira televisiva, o ator conseguiu a consagração junto ao público ao ser escalado para viver Larry Tate, um dos donos da agência de publicidade McAnn e Tate em A Feiteiceira (Bewitched, 1964-197). Larry era o chefe, e amigo, de James Stephens.

As campanhas publicitárias da empresa sempre eram cheias de confusões, devidos a feitiços inesperados, mas sempre acabavam com bons resultados. Larry foi o personagem coadjuvante que mais apareceu na série.




David White como Larry Tate, em A Feiticeira



Após o final da série, David White fez apenas mais três filmes, Folias na Neve (Snowball Express, 1972), Ritmo Quente (Fast Forward, 1985) e Chuvas de Milhões (Brewster's Millons, 1985).


David White em Chuva de Milhões



Mas na TV, fez diversas participações em séries, como ator convidado. White apareceu em séries como Missão Impossível (Mission: Impossible), Kojak, Columbo, Rhoda, Police Woman, Mary Tyler Moore, Homem-Aranha (Spider Man), O Barco do Amor (Love Boat), O Incrível Hulk (The Incredible Hulk), Esquadrão Classe A (The A-Team), Dallas e Dinastia (Dynasty).



David White em Homem-Aranha

David White em Dallas, um de seus últimos trabalhos como ator, em 1986




A TRAGÉDIA FAMILIAR


David White foi casado com a atriz Lisa Figus (entre 1946 e 1951), com quem teve uma filha. Ele se casou em 1952 com a atriz Mary Welch, que faleceu em 1958, durante o parto do filho do casal, Jonathan.


A atriz Mary Welch



Jonathan faleceria em 1988, com apenas 30 anos de idade. Ele estava a bordo de um avião que sofreu um atentado terrorista na Escócia. Na tragédia morreram 259 pessoas, incluindo o atleta olímpico Peter Dix e o roqueiro Paul Jeffreys.

David White ainda atuava na época, mas ficou tão traumatizado com a morte do filho que abandonou a carreira, e passou a viver triste e amargurado, até que um ataque cardíaco tirou sua vida, em 27 de novembro de 1990.

David White tinha 74 anos de idade.






Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil